VOCÊ

Você foi embora Embora, talvez não volte Volte amanhã Amanhã de manhã acordo Acordo para esperar você chegar Chegar a noite, na cama Cama ainda vazia, fria Fria foi aquela despedida Despedida com você despida Despida até de calor Calor foi só alguns gemidos Gemidos difusos Difusos e confusos Confusos em braços e lençóis Lençóis que ontem Ontem enxugaram lágrimas Lágrimas se fez paixão Paixão agora é pouca razão Razão que não esfriou a saudade Saudade, melhor arrefecer Arrefecer, sim, porque fui abjeto Abjeto e objeto Objeto, eu sei o por quê Porque foi culpa daquela noite Noite longa, curta história História com final infeliz Infeliz? Não! Nem tanto... Tanto chorei, mas não foi o pior Pior foi acreditar Acreditar que no outro dia Dia sem adeus Adeus é palavra que dói Dói na despedida; isso não quero Quero despedir do adeus Adeus! Fique bem longe Longe daquela estrada Estrada que um dia distanciou Distanciou por longas noites Noites intensas de amor

4 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

O CHAPÉU

Outro dia a minha mãe caiu na besteira de perguntar: o que você tem na cabeça? O cinismo agiu rápido: chapéu! - respondi. A feição de mãe geralmente é vista como a de Maria, aquela do Salvador. Nesse

DE PONTA A PONTA

A fé - natural ou espiritual - entra na simetria que não se anula. Assim, se prolonga em desenvolvimento e se completa plenamente em propósitos. A fé natural é pragmática e limitada, por isso não comp

O COMEÇO DA CURA

Um dia Jesus estava aparentemente sem paciência. Definitivamente, o Senhor não perde tempo justamente na hora da dor. Diante de uma necessidade, Jesus viu algo que impedia a cura. Impacientou-se. Afin

  • Facebook
  • Instagram

BRADESCO  1994

C/C 365459

CEF 2437 - 013

Poupança 00624049 - 0

Ministério Pastoral

Judson Santos

+ de 30 anos de

serviços prestados