NO REINO DAS PALAVRAS IMPRESTÁVEIS

A palavra está se reduzindo ao nada prestável. Muitas palavras que não servem nem um pouco. A palavra maldita covardemente se esconde embaixo dos panos, violentando a coerência, desvirginando a sensatez, estuprando sentidos, fornicando verbos. Palavras sem ponto, nem vírgula. Sem consistência, nem consciência. Sem densidade, nem sensatez. Palavras insensatas são irresponsáveis. Vazias, torpes, ridículas, mentirosas. Palavras que agridem, ferem e matam. Palavras que dividem, espalham, desorganizam, confundem. Palavras com a cor do pavor; o terror. Vazia de rosas. Horrorosas! Palavras que nascem hipócritas. Nada gentis. Crescem palavrões. Não acrescentam, esquartejam. Palavras que desvirtuam, desviam, descontrolam, desencaminham. Vozes loucas; loucos. Palavras que reinam nos subterrâneos dos escravos mudos. Palavras sem conclusões. Palavras que não se importam com destinos. Desatinos.


No silêncio tudo germina. Fecunda introspecção. Nasce a sabedoria no silêncio da ponderação. Isso diz tudo. Ou quase tudo. O melhor é não dizer mais nada.

0 visualização

Posts recentes

Ver tudo

O CHAPÉU

Outro dia a minha mãe caiu na besteira de perguntar: o que você tem na cabeça? O cinismo agiu rápido: chapéu! - respondi. A feição de mãe geralmente é vista como a de Maria, aquela do Salvador. Nesse

DE PONTA A PONTA

A fé - natural ou espiritual - entra na simetria que não se anula. Assim, se prolonga em desenvolvimento e se completa plenamente em propósitos. A fé natural é pragmática e limitada, por isso não comp

O COMEÇO DA CURA

Um dia Jesus estava aparentemente sem paciência. Definitivamente, o Senhor não perde tempo justamente na hora da dor. Diante de uma necessidade, Jesus viu algo que impedia a cura. Impacientou-se. Afin

  • Facebook
  • Instagram

BRADESCO  1994

C/C 365459

CEF 2437 - 013

Poupança 00624049 - 0

Ministério Pastoral

Judson Santos

+ de 30 anos de

serviços prestados